cinema

Filme: Entre nós

outubro 25, 2014

Mais uma dica de filme bacana que está disponível no Netflix: entre nós.



Conta a história de uma mulher colombiana que recém chegou em Nova york com os dois filhos e o marido e que, após ser abandonada por este, precisa se virar para sobreviver e sustentar os filhos. Baseada numa história real, mostra a batalha de uma imigrante ilegal tentando ganhar a vida num país estranho.
Bem bonitinho!


O causo da barata no bolo

outubro 22, 2014

Semana passada comprei um bolo de laranja de uma marca que costumo comprar sempre e adoro, no supermercado que vou semanalmente. Chegando em casa, fui abrir para comer um pedaço, e encontrei uma surpresinha: uma perna de barata!



Delícia né?
Tirei foto e fui reclamar na página do mercado, onde me pediram meu telefone para entrar em contato comigo e esclarecer o ocorrido. Passou uns dias e o gerente da filial onde comprei a iguaria me telefonou pedindo desculpas e explicando que já tinham entrado em contato com o fabricante e que este iria me procurar para conversar. Eu já estava me armando para entrar na justiça nas pequenas causas, quando recebi a ligação da fábrica.
O moço, super educado e gentil, me pediu mil desculpas, disse que estavam investigando onde poderia ter ocorrido a falha, que eu estava super convidada a visitar a fabrica e o processo de produção dos produtos e que queria me tirar essa má impressão me entregando pessoalmente um kit dos produtos deles.

Pois bem, hoje de manhã ele esteve aqui em casa e recebi, além do pedido de desculpas pessoalmente, um kit cheio de coisas boas da empresa. Achei bem bacana da parte deles essa preocupação (básica) com o cliente e principalmente em dar um retorno num ocorrido desse caso. E eu achei importante reclamar primeiro com eles, antes de sair entrando na justiça, pois acredito que seja possível sempre um entendimento global com o diálogo.



Caso interesse, o supermercado é o Zaffari e a marca do bolo é a Casa do Croissant.


curiosidades

estranhices (ou nem tanto)

outubro 18, 2014

Tava falando com uma amiga esses dias, sobre como eu tenho uma percepção diferente de ver as horas em um relógio analógico, de ponteiros, do que ver num relógio digital. Não é a mesma coisa pra mim!
Não conheci ninguém ainda que sinta isso também. Cinco minutos num relogio digital tem um significado diferente pra mim do que ver o ponteiro dos minutos 15 graus avançado no relógio analógico.

tenho os dois tipos de relógios no meu computador hehehe

Outra estranhice minha é sobre a influência da cor e estampa de um prato na minha refeição. Detesto pratos muito floridos e cheios de frufrus. Quando o prato é branco e liso, a comida se destaca, fica diferente, e como a gente também come com os olhos, acho que isso é bem importante.
O formato do prato também acho que influencia, mas nem tanto quanto a cor e estampas. Claro que não sou totalmente contra ter alguma corzinha ou detalhe, mas nada exagerado.
Vale o mesmo para copos, detesto tomar líquidos em copos coloridos demais, ou aqueles de vidro enrugados que distorcem a visão. Jarras de suco também.

Vai entender....ou melhor nem tentar hehehe


gatos

meus olhinhos verde oliva

outubro 14, 2014

e no meio da correria do dia a dia, a vantagem de trabalhar em casa é ter esse meu muso fazendo companhia.
Oswaldinho querido da mamãe!





Doce aroma do anoitecer

outubro 11, 2014

Depois de mais um dia de longo e cansativo trabalho, eis aqui meu mais recente favorito relaxante das noites:



instagram

10° Encontro Mundial de Instagrammers

outubro 06, 2014

No sábado passado teve o décimo World Wide Instameet, que é o encontro mundial dos usuários do Instagram. Eu tinha ido no último encontro que teve em maio, e dessa vez o local escolhido foi a Fundação Iberê Camargo, nosso famoso museu desenhado pelo arquiteto Álvaro Siza.


foto minha durante uma visita ao museu no ano passado

os instagrammers de Porto Alegre (foto do Kalique Dias)

Eis algumas fotos do encontro e um vídeo que fiz usando timelapse.







afterlife

outubro 05, 2014

Ainda ando pensativa e refletindo sobre a vida e a morte, depois dos acontecimentos da semana. Deu saudade de quem já se foi, medo de perder quem ainda está por aqui, aquela hora de reflexão sobre o que eu estou fazendo da vida agora, onde quero chegar, essas coisas.

Aí que veio essa música aí do Arcade Fire.
Já tinha gostado da música, e os clipes achei bem bacanas, principalmente a versão com cenas do filme Orfeu Negro, que se passa no Rio de Janeiro e é uma releitura da história grega do casal, onde ele vai para o pós vida encontrar a amada e coisa e tal. E tem o outro clipe que mostra uma familia de mexicanos vivendo nos EUA, que também é legal.





viciei na música, acho que pela melodia e pelo significado dela no momento.


.

outubro 02, 2014

Eu não sei se entendo ou não entendo o suicídio, pois ao mesmo tempo que é algo tão terrível, acho que ainda é uma escolha que a pessoa quis fazer em não viver mais. E entendo que a depressão, quando não tratada ou levada a sério, pode conduzir o depressivo aos caminhos mais drásticos possíveis.
Agora, se tem uma coisa que ainda não entendo, é como ainda existe um preconceito tão enorme em entender que depressão é uma DOENÇA e que tanta gente sequer aceita que ela exista. Tratam com banalidade e preconceito, como se fosse bobagem ou frescura da pessoa que está mal.
Só sei que cada vez mais me convenço de que não conseguimos viver neste mundo sozinhos, sem família e amigos, precisamos das pessoas, e principalmente das pessoas queridas e amadas.


Instagram